PC-AL ouve testemunhas da confusão entre militares que estavam à paisana no Pontal da Barra

Postado em 14 de Abril de 2021 ás 21:25
Depoimentos estão marcados para esta quinta-feira (15), às 10h, no 22º DP. Vídeo mostra soldado sendo abordado por sargento e agredido após confusão entre eles. Polícia ouve depoimento de envolvidos em abordagem de PMs no Pontal da Barra
A Polícia Civil abriu inquérito para apurar uma ocorrência registrada no Pontal da Barra envolvendo dois policiais militares à paisana. O motivo da confusão teria sido disparos feitos por um soldado da PM na casa da irmã de um sargento. O depoimento das testemunhas está marcado para esta quinta-feira (15), às 10h.
Imagens gravadas de um celular mostram o sargento, de camisa azul e sem farda, rendendo o soldado, de camisa preta e também se farda na porta de casa. Mesmo sem o soldado oferecer reação, o sargento atira no chão. O soldado é rendido e agredido por dois homens que também estavam no local.
O Ministério Público recebeu a denúncia e informou que vai acompanhar o caso.
"Como se sabe que prisão só se pode realizar ou no cumprimento do mandado de prisão ou em flagrante delito, é necessário que se apure as razões pelas quais aquelas três pessoas sem fardamento realizaram aquela conduta. Se houve abuso, se houve excesso ou se houve ilícito. São dois fatos distintos que precisam ser apurados. E isso fica a cargo, em princípio, da corregedoria da Polícia Militar. Nós devemos somente acompanhar esse eventos", disse a promotora de justiça Karla Padilha.
A corregedoria da Polícia Militar informou que está apurando a conduta do sargento e também se o soldado cometeu alguma infração antes da abordagem.
"Nós vamos ouvir testemunhas no desenrolar da apuração. As vítimas, bem como ao acusado logicamente será dado o amplo direto à defesa do contraditório no desenrolar da apuração. A corporação não compactua com qualquer tipo de desvio de conduta por parte dos seus integrantes", informou o Major Galvão, da corregedoria da PM.
A Polícia Civil realizou uma perícia na casa da irmã do sargento para saber se os disparos efetuados saíram mesmo da arma do soldado.
"Iremos ouvir todo mundo e fazer as devidas investigações tanto dos tiros, dos disparos, quanto da ação e da prisão do PM", disse Luiz Carlos, chefe de operações do 22º Distrito Policial.
Veja os vídeos mais recentes do G1 Alagoas
Veja mais notícias da região no G1 Alagoas
OUÇA AO VIVO
-