Assassinato de professor da Ufal foi premeditado, diz delegado

Postado em 20 de Setembro de 2021 ás 11:51

Namorado de José Acioli Filho foi preso; ele roubou carro após homicídio e tentava vendê-lo. Irmão do suspeito, um adolescente de 17 anos, foi apreendido, mas depois liberado por falta de provas. Corpo do professor José Acioli da Silva Filho, da Ufal, foi encontrado na casa dele na última quinta-feira
Reprodução/Instagram
O professor José Acioli da Silva Filho, de 59 anos, foi morto pelo namorado em um crime premeditado. O carro da vítima foi roubado após o assassinato, na sexta (16), mas o suspeito já vinha negociando a venda do veículo antes disso. A informação foi divulgada nesta segunda (20) em uma entrevista coletiva na Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP).
O suspeito, de 22 anos, foi preso em cumprimento de mandado de prisão temporária e negou o crime. Ele não tem passagem pela polícia, é casado e tem dois filhos. O irmão dele, um adolescente de 17 anos, chegou a ser apreendido, mas foi liberado por falta de provas que o ligassem ao homicídio.
"Para nossa surpresa, desde o dia 10 de setembro esse veículo já vinha sendo negociado, ou seja, a morte foi planejada. Provavelmente ele [o namorado] manteve contato com a vítima, viu a facilidade que tinha para entrar na residência, de conhecer o potencial financeiro e arquitetou toda essa situação", informou o delegado Ronilson Medeiros.
O delegado diz que o suspeito continua preso e deve ser ouvido novamente. "Inicialmente, ele falou que esse carro foi repassado e que ele estaria apenas negociando".
Familiares e amigos do professor do departamento de artes da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) também já prestaram depoimento, na condição de testemunhas. Eles afirmaram que o relacionamento da vítima com o jovem preso era recente e que quase ninguém o conhecia.
"Familiar nenhum tinha conhecimento [do relacionamento], no entanto, um amigo próximo tinha conhecimento. E foi esse amigo quem passou todas as informações", explicou Medeiros. Esse amigo é dentista e, a pedido do professor, faria um tratamento ortodôntico no namorado.
O corpo da vítima foi encontrado em sua residência, no bairro do Poço. As investigações chegaram ao primeiro suspeito quando o carro roubado foi encontrado. "Com essa divulgação, o carro foi identificado nessas imediações de Guaxuma e que o cara estaria naquela região tentando vender o carro", disse.
A Polícia Civil ainda investiga a participação de mais pessoas no crime. "Até porque, pelo montante de objetos subtraídos [da casa da vítima], pode ser ou não que a pessoa teve ajuda de um terceiro. Isso ainda ficou em aberto", afirmou o delegado.
Homofobia e crime de ódio
Investigadores detalham o que descobriram sobre o assassinato do professor da Ufal assassinado em Maceió
Ana Clara Pontes/G1
A perícia feita no Instituto Médico Legal (IML) apontou que o professor foi morto por asfixia causada por estrangulamento. A vítima apresentava hematomas com equimoses, um tipo de ferimento que comprova que o professor foi espancado antes de ser assassinado.
"Nas partes íntimas da vítima havia algumas lesões, o que leva a considerar que, possivelmente, foi um crime de ódio. Ele não se contentou em matar a vítima, ele ainda a torturou. Esse é um fato relevante para mostrar que esse tipo de crime não pode ficar impune", afirmou Ronilson Medeiros.
"Nesse caso a gente consegue perceber claramente a questão da homofobia. Não foi o simples fato de matar, ele se preocupou em torturar justamente na partes íntimas da vítima. Não teria sido qualquer tipo de tortura", explica o delegado.
O corpo do professor foi sepultado na sexta. Acioli era considerado por amigos "militante incansável contra a LGBTQIAfobia em Alagoas, que a ferro e fogo defendia a liberdade sexual e igualdade de gênero". Em nota divulgada nas redes sociais, o Grupo Gay de Maceió classifica o caso como "crime de ódio e preconceito".
Corpo de professor da Ufal que foi assassinado é enterrado em Maceió
Assista aos vídeos mais recentes do G1 AL
*Estagiária, sob supervisão
Veja mais notícias da região no G1 Alagoas
OUÇA AO VIVO
-