Estado desmonta leitos de Covid-19, mas não descarta reativação em caso de alta na demanda

Postado em 28 de Novembro de 2020 ás 12:38

Pesquisadores da Ufal constataram que houve leve aumento da demanda por esse tipo de leito na última semana e alertaram para aumento da transmissão do novo coronavírus em Alagoas. Técnicos do Lacen analisam testes de Covid-19 em Alagoas
Carla Cleto/Ascom
O Estado de Alagoas desmontou leitos exclusivos para Covid-19 recentemente. A constatação foi apresentada nos relatórios mais recentes do Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o Enfrentamento da Covid-19, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Outros estados já estão passando por retorno da alta demanda por leitos de Covid-19. No Rio de Janeiro, a ocupação de leitos de UTI para pacientes com Covid-19 atingiu 94% na rede SUS e mais de 90% nos hospitais privados na sexta-feira.
A reportagem do G1 questionou a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) sobre o motivo de desativar leitos de UTI de Covid-19 quando outros estados já registram mais de 80% de ocupação. A Sesau confirmou a desativação de leitos e explicou que, no momento em que os leitos foram desmontados, o estado estava em estabilidade tanto no número de casos quanto no de mortes por Covid-19, portanto, ainda não apresentava a alta recente de casos.
A Secretaria disse também, que em caso de necessidade, vai reativar os leitos exclusivos para pacientes com suspeita ou infecção pelo novo coronavírus, e ressaltou que a situação de leitos desativados não é definitiva e segue o comportamento da pandemia.
Os pesquisadores da Ufal mostraram que "mais algumas unidades foram desmobilizadas ao longo da 47ª SE [Semana Epidemiológica], causando a redução de 38 leitos com respiradores (20 de UTI e 18 de UTI intermediária)". Eles falaram em mais leitos desativos, porque já houve desmobilização de leitos para Covid-19 antes, como quando o Hospital de Campanha Dr. Celso Tavares, em Maceió, foi desmontado em setembro.
No relatório, os pesquisadores constataram que ao mesmo tempo em que houve desativação de leitos de Covid-19, foi registrado um leve aumento na demanda por esses leitos na última semana.
"Neste contexto, foi observado um pequeno aumento na ocupação desses leitos, que atingiu uma taxa de 42% para UTI e 9% para UTI intermediária, que resulta em uma ocupação de 36% quando considerados todos os leitos com respiradores disponíveis para tratamento de vítimas da Covid-19 na rede pública alagoana", diz um trecho do estudo.
O Boletim Observatório Fiocruz Covid-19 mostrou que "quanto ao número de leitos de UTI para Covid-19, segundo dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), entre os dias 9 e 23 de novembro foi registrada uma pequena redução de leitos de UTI Covid-19 para adultos em Alagoas".
O relatório aponta também "crescimento de número de casos em um processo de reversão do observado em semanas anteriores".
O boletim mais recente de ocupação de leitos, divulgado na tarde dessa sexta, mostrou que a taxa geral de leitos exclusivos para Covid-19 estava em 35%. Considerando apenas os leitos de UTI, o percentual era de 42%.
Aumento de casos
Até as 20h dessa sexta (27), a média móvel de mortes por Covid-19 em Alagoas estava em queda. Uma variação de - 20% na comparação com a média de 14 dias atrás. Apesar de redução no número de óbitos, o estado vem apresentando tendência de alta no número de casos.
O número diário de novos casos nessa sexta foi o dobro do que foi registrado na quinta (26). No boletim mais recente, o Observatório Alagoano de Políticas Públicas para o Enfrentamento da Covid-19, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), alertou para o aumento de casos em Maceió e em Arapiraca.
Veja os vídeos mais recentes do G1 AL
Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19
Initial plugin text
OUÇA AO VIVO
-